Reabertura de igrejas será sem cantar para não propagar o coronavírus, na Inglaterra
29/06/2020 19:23 em Igreja

O governo da Inglaterra estabeleceu as precauções que as igrejas precisam tomar quando reabrirem para o culto público a partir de 4 de julho. 

As orientações publicadas incluem uma série de restrições ao culto, com as igrejas orientadas a evitar cantar e usar instrumentos de sopro.

As igrejas estão se preparando para retomar o culto público depois de poderem abrir para orações particulares no início deste mês. 

A orientação foi produzida com conselhos da comunidade científica e da Força-Tarefa de Locais de Culto do Governo, composta por líderes religiosos. 

“Os locais de culto desempenham um papel importante no fornecimento de liderança espiritual para muitas pessoas e na união de comunidades e gerações”, diz o documento.

“No entanto, sua natureza comunitária pode torná-los lugares particularmente vulneráveis ​​à propagação do COVID-19”. 

Casamentos e funerais podem ser retomados com até 30 participantes. O culto comunitário pode ocorrer com números mais altos, sujeitos a um distanciamento social estrito. 

Os locais de culto são aconselhados a adaptar cerimônias e serviços para que sejam “concluídos no menor tempo razoável”, com os participantes “encorajados a seguir em frente, para minimizar o risco de contato e a disseminação da infecção”.

“Se apropriado, você deve reconfigurar os espaços para permitir que os fiéis se sentem em vez de ficarem em pé, o que reduz o risco de contato”, diz a orientação. 

Também recomenda que, sempre que possível, os locais de culto continuem transmitindo eventos ao vivo para evitar grandes reuniões e “continuem alcançando aqueles indivíduos que se isolam ou são particularmente vulneráveis ​​ao COVID-19”. 

As igrejas devem usar folhas de serviço de uso único e material devocional ou livros limpos num intervalo de 48 horas entre os usos.

As congregações são instruídas a “evitar cantar, gritar, levantar vozes e / ou tocar música em um volume que dificulte a conversa normal ou que incentive a gritar”.  

“Isso se deve ao potencial de aumento do risco de transmissão de aerossóis e gotículas”, diz a orientação.

O tocar de instrumentos “que são soprados deve ser especificamente evitado no culto ou nas devoções e nos ensaios”.

“Onde a música tem um papel importante no culto e há gravações disponíveis, sugerimos que você considere usá-las como uma alternativa ao canto ao vivo.

Não ficou definido sobre quem é a responsabilidade caso haja uma propagação de coronavírus em um local de culto, para que todos os líderes da igreja sejam instados a seguir as diretrizes.

Outras sugestões no documento sugerem que o dinheiro não deve passar pelas mãos; portanto, as doações online devem ser incentivadas; no entanto, se não houver opção – o dinheiro fornecido deve ser mantido em um contêiner e não tocado por vários dias.

Outros aspectos da vida da igreja, como grupos de jovens e escolas dominicais, são permitidos, mas não necessariamente aconselháveis. Os líderes da Igreja são incentivados a realizar avaliações de risco para garantir que todas as atividades sejam “seguras”.

Aqueles que desejam prestar serviços ao ar livre são incentivados a tomar precauções extras sobre segurança.

Embora as igrejas tenham recebido liberdade para reabrir a partir de 4 de julho, espera-se que muitas não o façam. A Aliança Evangélica diz que as conversas que teve com os membros é que não haverá pressa.

Alguns sugeriram que ‘igreja híbrida’ pode ser o futuro, com opções para assistir online e pessoalmente no futuro próximo.

Fonte: Folha Gospel com informações de The Christian Post, Guia-me e Premier

COMENTÁRIOS