Terroristas ordenam que cristãos deixem região do Quênia para muçulmanos terem empregos
09/03/2020 15:26 em Crime

O grupo al-Shabaab, da Somália, ligado à Al-Qaeda, ordenou que os cristãos deixem suas casas e propriedades em três condados no nordeste do Quênia para permitir que os muçulmanos obtenham todos os empregos locais, de acordo com a organização International Christian Concern, órgão de vigilância de perseguições dos EUA.

“Professores, médicos, engenheiros e jovens graduados da província nordestina estão desempregados. Não é melhor dar uma chance a eles? Não há necessidade da presença de descrentes”, disse o porta-voz da al-Shabaab, Sheikh Ali Dhere, em um clipe de áudio publicado online, referindo-se aos condados de Garissa, Wajir e Mandera.

No vídeo de 20 minutos, o porta-voz pediu aos somali-quenianos que expulsassem todos os não-muçulmanos se não saíssem por conta própria.

A maioria das pessoas que vivem nos três municípios são somalis, que fugiram para o Quênia devido à guerra e violência na Somália.

"Isso não é novidade, porque a conduta da população local sempre sugeriu que eles querem que nós partamos", disse o Rev. Cosmas Mwinzi, da Assembleia de Deus em Garissa. 

“Esta região é instável há anos devido à guerra na Somália e ao ódio contra os não-locais, que são principalmente cristãos. Os níveis de educação e infra-estrutura nos três municípios são baixos e é somente através da experiência e do trabalho árduo dos não-locais que o padrão de vida do povo somali no Quênia pode melhorar. Temos pessoas não locais em todos os setores, da saúde à educação”, explicou.

Contexto hostil ao cristianismo

Em janeiro, três professores cristãos foram assassinados na cidade de Kamuthe, no condado de Garissa, durante um ataque a uma escola primária que se acredita ter sido realizada pelo al-Shabaab. Como resultado, muitos professores não locais já estavam sendo transferidos para outras escolas fora do nordeste do Quênia, ou os próprios professores estavam solicitando transferências."

Este comunicado é uma notícia terrível para os cristãos que vivem e trabalham no leste do Quênia", disse Nathan Johnson, gerente regional da ICC para a África.

“Eles já vivem com mais medo e ansiedade, pois muitos tiveram que viajar para encontrar trabalho. Agora, com essa ameaça, fica claro que o Al-Shabaab aumentará os ataques contra os cristãos que estão simplesmente tentando sustentar suas famílias”, afirmou.

Na quarta-feira passada, dois cristãos estavam entre as três pessoas mortas depois que supostos militantes da Al-Shabaab atacaram um ônibus que transportava passageiros para a capital de Nairóbi, de uma cidade comercial perto das fronteiras da Etiópia e da Somália.

Haji Abass, proprietário da empresa de ônibus Moyale Raha, com sede no Quênia, disse à Associated Press que os terroristas estavam de uniforme da polícia e sinalizaram para o ônibus parar. No entanto, o motorista continuou porque sabia que não havia paradas policiais ao longo da rota. Nesse momento, os terroristas dispararam contra o ônibus, furaram os pneus traseiros e feriram o motorista.

Depois que o ônibus entrou em uma vala, terroristas teriam retirado os passageiros e matado dois não muçulmanos e um muçulmano. Dois outros ficaram feridos.

O Quênia é o 44º pior país do mundo em perseguição aos cristãos, de acordo com a lista de observação mundial do Portas Abertas (EUA) para 2020.

O Al-Shabaab luta há anos para derrubar o governo da Somália. O grupo foi responsável por ataques de ambos os lados da fronteira entre a Somália e o Quênia, pois há muito tempo prometeu retaliar o país por enviar tropas à Somália para combater o grupo.

Em abril de 2015, o al-Shabaab realizou um de seus ataques mais mortais quando invadiu o campus da Universidade de Garissa. Naquela ocasião, dizia-se que terroristas separavam muçulmanos de não-muçulmanos e passaram a executar todos os estudantes não-muçulmanos. Pelo menos 148 pessoas foram mortos no ataque.

Fonte: Guia-Me

COMENTÁRIOS