MENU
Empresa pró-vida usa venda de café como estratégia para salvar vidas
18/07/2023 17:18 em Novidades

Uma empresa pró-vida nos Estados Unidos está usando a venda de café para garantir que os centros de gravidez possam continuar atendendo mulheres em crise.

Cerca de 130.000 dólares foram doados para apoiar os recursos gratuitos que essas clínicas oferecem.

Desde que a Suprema Corte dos EUA reverteu Roe v. Wade em junho de 2022, a marca “Seven Weeks Coffee”, fundada por Anton Krecic, decidiu se concentrar no apoio aos centros de gravidez após o que ele descreveu como uma visita "inspiradora" à clínica “Cleveland Pregnancy Center”, em 2019. 

O empresário afirmou ao Christian Post que os centros de gravidez são as "mãos e os pés do movimento pró-vida", e para ele, apoiar essas organizações é uma "causa digna". 

Ele notou que as organizações pró-vida necessitam de ajuda financeira e de profissionais qualificados. Então, decidiu intervir.

Anton informou que toda vez que um consumidor compra um saco de café, 10% da venda vai direto para um centro de gestantes:

"Foi assim que conseguimos arrecadar todo esse dinheiro, dando aos consumidores a capacidade de saber exatamente quanto estamos doando e fazer com que cada compra tenha um impacto". 

Parcerias que garantem a vida

No site da empresa, há uma área onde os centros de gravidez podem fazer parceria com eles e se inscrever em seu programa de afiliados. 

Segundo Anton, mais de 500 centros fazem parte do programa de afiliados da empresa de café. 

O Seven Weeks Coffee participa de diversas conferências pró-vida como a Conferência Nacional Care Net e a Conferência Internacional Heartbeat. Nos eventos, eles oferecem café enquanto informam aos centros sobre a missão da empresa. 

De acordo com o Christian Post, a empresa começou a trabalhar para salvar vidas em novembro de 2021, mas o negócio se expandiu em julho de 2022.

Anton comentou sobre o atual movimento pró-vida e acredita depois que a Roe foi derrubada, os centros de gravidez precisam de mais apoio do que nunca, pois há muitos ataques contra eles de ativistas e políticos.

A senadora americana Elizabeth Warren, D-Mass., repetidamente acusou os centros e gravidez de usar "táticas enganosas", e insistiu para que fossem fechados. 

No entanto, Anton observou que muitos centros de gravidez estão vendo um aumento na demanda por seus serviços gratuitos e precisam de ajuda para continuar apoiando mulheres em crise. 

"É por isso que estamos direcionando nosso apoio a eles. O que eles estão fazendo é um trabalho que salva vidas. Não podemos pensar em uma organização mais valiosa para apoiar do que os centros de atendimento a gestantes", disse ele.

"É uma completa mentira dizer que eles estão prejudicando as mulheres. Eles estão ajudando mulheres em crise, fornecendo recursos e acompanhando as mulheres para proteger a mãe e a criança”, concluiu ele.

Fonte: Guiame com informações de Christian Post

COMENTÁRIOS