MENU
Viúva cristã é estuprada e morta por se recusar a se casar com muçulmano
03/07/2023 17:20 em Crime

Após se recusar a converter-se ao Islã e casar-se com um muçulmano, uma viúva foi sequestrada, estuprada e assassinada por quatro indivíduos – todos muçulmanos –  em Lahore, Paquistão, de acordo com fontes.

Shazia Imran, de 40 anos, foi vítima de um assassinato brutal no mês passado. De acordo com seu irmão, os agressores cortaram seu pescoço e a agrediram com ácido, mas ainda não se sabe se as queimaduras ocorreram antes ou depois de sua morte. A polícia informou que o principal suspeito confessou o assassinato.

A tragédia não é a primeira na família. Há um ano e meio, o marido de Shazia também foi morto. Até o momento, a família diz que não viu justiça no caso, já que a polícia o classificou como um acidente, disse o cunhado da vítima, Zafar Masih.

Após a morte de seu marido, Shazia Masih começou a trabalhar como babá em uma creche na Lahore University of Management Sciences. Em 6 de junho, ela saiu de sua casa na cidade de Mehar, em Lahore, para ir trabalhar, mas nunca retornou, segundo conta seu irmão Zafar.

Ele afirma que o principal suspeito, Noman (conhecido como Mani) Gujjar, é um criminoso conhecido da região que a pressionava Shazia se converter ao Islã junto com seus filhos e se casar com ele.

“Shazia não compartilhou isso conosco por temer por nossa segurança, mas três dias antes de seu sequestro, ela disse [a outro parente] que Gujjar ameaçou matá-la se ela não se rendesse ao pedido dele”, disse Zafar Masih ao Morning Star News.

Denúncias

Após seu filho mais velho, de 16 anos, informar a Zafar Masih que Shazia não havia voltado para casa, ele e outros parentes começaram a procurá-la. Sem encontrá-la, a família informou à polícia sobre seu desaparecimento em 7 de junho.

“No final do dia, recebemos uma ligação da delegacia de polícia de Hyer informando que haviam encontrado um corpo em um terreno que correspondia à descrição de Shazia”, disse Zafar Masih. “Fomos imediatamente para a delegacia, mas quando vimos o corpo, não podíamos acreditar em nossos olhos. A veia jugular de Shazia foi cortada com um objeto pontiagudo e seu corpo foi gravemente queimado por ácido.”

Um exame forense revelou que a mulher havia sido estuprada antes de ser morta, contou Zafar Masih, que é membro de uma igreja evangélica local.

A polícia prendeu Gujjar e, mesmo ele tendo confessado o assassinato, os policiais não se interessaram ​​em prender outros três supostos cúmplices, o irmão de Gujjar e dois primos, disse Zafar Masih.

“Os acusados ​​são muito influentes e têm nos ameaçado persistentemente para nos reconciliar e retirar o caso”, disse ele. “Devido a essas ameaças, fomos forçados a nos esconder e não somos nem mesmo livres para prosseguir com o caso. Gujjar ainda está sob custódia da polícia, mas duvidamos que conseguiremos justiça para nossa irmã, pois o viés da polícia é evidente por sua inação contra os demais acusados”.

Zafar Masih disse que o incidente traumatizou os filhos de Shazia, o mais velho, um de 7 e outro de 6 anos. Sua avó das crianças é quem está cuidando deles.

“Perdemos toda a esperança de justiça e apelamos aos líderes de nossas igrejas e funcionários do governo para que nos forneçam justiça e segurança”, disse ele.

Comunidade cristã em choque

O bispo Azad Marshall, presidente da Igreja do Paquistão, condenou o assassinato e a inação da polícia contra os perpetradores.

“Nossos sentimentos estão com as crianças e outros membros da família de nossa falecida irmã”, disse Marshall ao Morning Star News. “A maneira como a pobre mulher foi estuprada e assassinada e seu corpo mutilado por ácido chocou toda a comunidade cristã. Agora estamos ouvindo esses casos de agressão e brutalidade contra mulheres cristãs quase diariamente, e exigimos que o governo tome conhecimento de tais crimes e dê exemplos aos perpetradores”.

O líder sênior da igreja disse que tomou conhecimento do pedido de ajuda da família e prometeu apoiá-los em sua busca por justiça.

“Já estamos lutando para salvar nossas meninas do flagelo das conversões forçadas à fé, mas nossas mulheres casadas também estão sendo cada vez mais alvo de conversão e casamento com muçulmanos”, disse ele. "Isso é inaceitável."

Conversões forçadas

Ativistas de direitos humanos relatam que anualmente dezenas de meninas, a maioria adolescentes da comunidade hindu na província de Sindh, no sul do Paquistão, juntamente com minorias cristãs na província de Punjab, são vítimas de conversões forçadas, facilitadas por líderes e grupos muçulmanos.

O Centro de Justiça Social, com sede em Lahore, divulgou informações alarmantes sobre os casos de conversões de fé forçadas relatados em 2022.

Segundo os dados, foram registrados pelo menos 124 casos, envolvendo 81 hindus, 42 cristãos e um sikh. É preocupante notar que 23% das vítimas eram meninas com menos de 14 anos, e 36% tinham entre 14 e 18 anos. Apenas 12% das vítimas eram adultas, enquanto a idade de 28% das vítimas não foi informada.

O centro afirmou que 65% dos casos foram relatados na província de Sindh, seguidos por 33% na província de Punjab e 0,8% cada nas províncias de Khyber Pakhtunkhwa e Baluchistão.

No ano passado, os Estados Unidos colocaram o Paquistão em sua lista de “países de preocupação particular” por violações da liberdade religiosa.

O Paquistão ficou em sétimo lugar na lista de observação mundial de 2023 da Portas Abertas dos lugares mais difíceis para ser cristão, acima do oitavo lugar no ano anterior.

Fonte: Guiame com informações de Morning Star News

COMENTÁRIOS