MENU
Manipur, na Índia, permanece tensa semanas depois que 400 igrejas foram incendiadas e 60 cristãos foram mortos
24/05/2023 17:32 em Crime

O estado de Manipur, no nordeste da Índia, permanece em um estado tenso de mal-estar semanas depois que uma onda devastadora de violência levou à morte de pelo menos 73 pessoas, a maioria delas cristãs, e ao incêndio, dano ou destruição de quase 400 igrejas.

Kuldeep Singh, um conselheiro de segurança do governo de Manipur, disse a repórteres no sábado que 488 armas e cerca de 6.800 cartuchos de munição saqueados em meio ao conflito foram recuperados, informou o Ukhrul Times.

Os rifles Assam também recuperaram 22 libras (10 kg) de explosivos e 2.000 detonadores BIPL.

Os tribais predominantemente cristãos pertencentes às comunidades Kuki-Zo, que residem nas colinas do distrito de Churachandpur, dizem que dois grupos da comunidade Meitei predominantemente hindu – Arambai Tengoll, também conhecido como “camisas-pretas” e Meitei Leepun – estavam por trás da violência.

Meiteis são estabelecidos principalmente no Vale Imphal.

A violência, que começou em 3 de maio, envolveu principalmente Imphal Valley e Churachandpur, causando pelo menos quatro dias de turbulência. A região continua tensa, pois as autoridades temem possíveis ataques de represália devido ao acúmulo significativo de armas em ambas as comunidades envolvidas.

O Indian Express informou anteriormente que mais de 1.000 armas e 10.000 cartuchos de munição foram roubados do Manipur Police Training College, duas delegacias de polícia locais e um acampamento do batalhão IRB em Imphal por membros do grupo étnico Meitei. O relatório também observou, sem indicar números específicos, que delegacias de polícia em Churachandpur foram atacadas e saqueadas pela comunidade Kuki.

Durante este período de hostilidade, a escalada da violência não só ceifou um mínimo de 73 vidas, das quais cerca de 64 eram cristãos tribais, mas também deixou 200 feridos. Mais de 1.700 residências sofreram danos, destruição total ou tiveram suas casas incendiadas. A turbulência obrigou cerca de 50.000 pessoas a abandonarem suas casas, das quais cerca de 35.000 pertencem a comunidades tribais cristãs.

As casas de Meiteis em Churachandpur, de maioria tribal cristã, também foram danificadas ou destruídas.

Uma fonte local informou que a violência e as tensões resultantes causaram um êxodo completo de residentes tribais do Vale Imphal. Da mesma forma, todos os Meiteis que residiam ou trabalhavam anteriormente em Churachandpur, incluindo funcionários do governo e da polícia, fugiram da área.

Segundo a fonte, as organizações cristãs da região registraram o incêndio, dano ou destruição de 397 igrejas e seis instituições cristãs em meio à onda de violência. Significativamente, essas igrejas serviram principalmente como locais de culto para os cristãos Meitei. Alega-se que essas estruturas foram visadas e destruídas principalmente pelos hindus Meitei.

O arcebispo Dominic Lumon de Imphal, cuja jurisdição abrange toda a Manipur, lançou um apelo por fundos para ajudar os afetados pela violência.

Ele alerta para um “sentimento geral de desesperança e desespero” em toda a região, reconhecendo que todas as comunidades, independentemente de sua afiliação, são afetadas pelo conflito em andamento.

Pe. Varghese Velikakam, vigário geral da diocese de Imphal, criticou a polícia local por não ter evitado os ataques e questionou a falta de guardas após as tentativas de agressão.

Vídeos da violência mostram a polícia observando ou participando da violência contra os povos indígenas.

Apesar da aparente natureza direcionada desses ataques, pe. Varghese aconselhou a Igreja a agir com cautela, manter a neutralidade e promover a paz e a unidade.

Tensões étnicas

O nordeste da Índia tem tensões étnicas de longa data. Em Manipur, os Meiteis e as comunidades tribais há muito tempo discordam sobre questões como propriedade da terra e políticas de ação afirmativa.

Depois de vencer a eleição estadual de 2017, o partido nacionalista hindu Bharatiya Janata, liderado pelo ministro-chefe N. Biren Singh, reclassificou a maioria dos assentamentos tribais como florestas reservadas, tratando-os efetivamente como imigrantes ilegais. Esse movimento, juntamente com a busca contínua dos Meiteis por reconhecimento como um grupo tribal, exacerbou significativamente as tensões entre os dois grupos.

A recente instrução da mais alta corte de Manipur ao governo no mês passado para considerar a demanda dos Meiteis por reconhecimento legal como um grupo tribal aumentou ainda mais a ansiedade entre as comunidades tribais. O recente surto de violência foi desencadeado quando um grupo de estudantes tribais protestou contra essa demanda.

Os hindus Meiteis e os tribais cristãos constituem aproximadamente 42% da população do estado. Apesar desse equilíbrio, os Meiteis historicamente mantiveram o domínio nas esferas política e econômica do estado.

Os críticos também apontam as ordens anteriores do ministro-chefe Singh para demolir igrejas em Imphal, sob a alegação de construção ilegal em terras de propriedade do governo, como uma tensão significativa nas relações intercomunitárias.

A violência generalizada e os ataques direcionados contra a comunidade cristã levantaram preocupações sobre a potencial escalada do conflito religioso na região.

Enquanto essas comunidades lidam com as consequências, Manipur permanece sob uma nuvem negra de incerteza, seu futuro ditado tanto pela capacidade do governo de conter as tensões quanto pela disposição das comunidades de se engajar nos esforços de construção da paz.

Forçados a renunciar a Jesus

No dia 9 de maio, dois vilarejos inteiros foram forçados a renunciar a fé em Jesus e foram brutalmente agredidos. Parceiros locais disseram que um pastor e três evangelistas foram espancados. Entre os meitei há alguns cristãos que também foram forçados a voltar para o hinduísmo e tiveram as igrejas incendiadas.

Os extremistas hindus passaram a procurar ativamente pastores e líderes cristãos para matá-los. Alguns parceiros locais da Portas Abertas também foram atingidos pelo conflito e precisaram fugir para campos de refugiados.

Ajuda emergencial

Parceiros locais da Portas Abertas se reuniram no Nordeste da Índia e mapearam os seis locais onde o socorro é urgente: Imphal, Churachandrapur, Thoubal, Imphal do Leste e Oeste, Kakching e Bishnupur.

Eles planejaram três linhas de assistência às vítimas:

Ajuda emergencial: alimentos, cuidados médicos e apoio legal para as vítimas cujas propriedades foram destruídas.

Reconstrução: A médio prazo, ajudar cristãos a reconstruírem as casas e em projetos de geração de renda, já que, por causa da fuga, muitos cristãos estão desempregados.

Cuidado espiritual e apoio ministerial: Oferecer aconselhamento e seminários pós-trauma. “Mesmo que as vítimas recebam alimento ou abrigo, as cicatrizes no coração deles continuarão ali, precisando de cuidados. Queremos implantar o ministério de presença, acompanhando a jornada deles enquanto se recuperam”, disse um parceiro local.

Manipur é o estado com a maior população cristã da Índia, com igrejas fortes e consolidadas. Se um dos estados com maioria cristã está enfrentando esse tipo de perseguição, a perspectiva de hostilidade em estados onde os cristãos são minoria é ainda maior. Ore por Manipur!

Fonte: Folha Gospel com informações de The Christian Post e Portas Abertas

COMENTÁRIOS