Rainha planejou detalhes de seu culto fúnebre, marcado por hinos cristãos
19/09/2022 16:31 em Novidades

O Reino Unido vive um evento histórico nesta segunda-feira (19), dia do funeral de Estado da Rainha Elizabeth II. Os detalhes deste dia foram elaborados há muito tempo pela monarca, que pensou de forma especial sobre seu culto fúnebre.

Um culto foi programado para ser realizado às 11h (horário local)  na Abadia de Westminster, em Londres — templo onde Elizabeth se casou e foi coroada. O objetivo da celebração é prestar homenagem ao seu “reino notável e vida inteira de serviço como Chefe de Estado”, disse o Palácio de Buckingham em comunicado à imprensa no domingo. 

A rainha esteve intimamente envolvida no planejamento do culto, disse Ian Markham, reitor e presidente do Seminário Teológico da Virgínia, ao Washington Post.

“Ela se interessou muito por este culto”, disse Markham, um sacerdote episcopal. “Ela é uma cristã muito devota. Ela viu seu trabalho como sua vocação, e o fez como uma pessoa que realmente acredita que existe um Deus e quer ser fiel a isso”.

Markham, que estudou religião na Inglaterra, disse que o culto da rainha será “focado na ressurreição”.

“Fala-se muito sobre a vida que virá, e isso é quem ela era: ela era uma pessoa que tinha uma fé profunda e uma fé muito firme e, portanto, estava confiante de que esta é apenas uma temporada e faz parte de um jornada mais longa na vida com Deus. Isso é o que eu percebo do culto.”

John Sentamu, um bispo anglicano aposentado que esteve no planejamento do funeral real durante seu tempo como arcebispo de York, disse à BBC que a rainha não queria que seu funeral fosse “chato”. 

“A rainha não queria o que chamamos de cultos longos e chatos”, disse ele.

Antes do funeral, o sino da Abadia de Westminster tocará uma vez por minuto durante 96 minutos. Cada toque irá representar um ano da vida de Elizabeth.

Detalhes do culto

O Rev. David Hoyle, reitor de Westminster, conduzirá o funeral de Estado e o sermão será proferido pelo arcebispo de Canterbury, Justin Welby.

As leituras serão dadas por Patricia Scotland, secretária-geral da Commonwealth (Comunidade das Nações), e pela primeira-ministra britânica Liz Truss. A música incluirá um hino que foi composto para a coroação de Elizabeth em 1953.

Enquanto o caixão da rainha é levado para o templo, o coral da Abadia de Westminster cantará as Orações – versículos das Escrituras que têm sido usados ​​em todos os funerais britânicos desde o século XVIII. 

Hoyle lembrará o “compromisso inabalável de Elizabeth com um alto chamado ao longo de tantos anos como rainha e chefe da comunidade”, de acordo com o plano, conhecido como “ordem dos cultos”.

“Com admiração, lembramos seu senso de dever e dedicação ao longo da vida para com seu povo”, ele dirá. “Com ação de graças, louvamos a Deus por seu exemplo constante de fé e devoção cristã. Com carinho, lembramos seu amor pela família e seu compromisso com as causas que tanto amava”.

O coral cantará uma música especialmente composta chamada “Como a Corça”, inspirada na “fé cristã inabalável” da rainha, de acordo com os planos do funeral. A canção é baseada no Salmo 42.

Após a leitura de Truss, virá o hino “O Senhor é meu pastor”, que foi cantado durante o casamento em 1947 da então princesa Elizabeth e do tenente Philip Mountbatten. 

Últimas homenagens

No final da tarde, durante um culto no Castelo de Windsor, perto de Londres, algumas das músicas que serão tocadas foram compostas por William Henry Harris, que foi organista da St. George’s Chapel durante toda a infância da rainha e a ensinou a tocar piano, de acordo com funcionários do Palácio de Buckingham.

O coral do funeral do Estado também cantará “Provai e Vede que o Senhor é Bom”, uma composição de Ralph Vaughan Williams para a coroação da rainha em 1953. “Você vai ouvir vozes angelicais do coral”, disse Sentamu à BBC.

Perto do final do funeral, haverá o toque de uma corneta, seguido por dois minutos de silêncio em todo o Reino Unido. Mais tarde, a congregação cantará o hino nacional, “God Save the King”.

Fonte: Guiame com informações de Washington Post

COMENTÁRIOS