Presidente esquerdista do Chile se recusa a receber embaixador de Israel
16/09/2022 17:33 em Novidades

O presidente do Chile, que tem sido fortemente crítico de Israel, se recusou a aceitar as credenciais do novo embaixador israelense na Segunda-feira (12), em um grave incidente diplomático.

O esquerdista Gabriel Boric rejeitou o diplomata israelense Gil Artzyeli alegando que Israel 'mata crianças em Gaza'. Sua acusação tem relação com a morte de um palestino de 17 anos por militares israelenses, que estavam em confronto com homens armados na Cisjordânia.

Artzyeli estava programado para apresentar suas credenciais a Boric como uma formalidade, mas o governo do Chile o informou que a cerimônia havia sido cancelada por Israel “matar crianças em Gaza”, segundo o portal de notícias israelense Walla.

O embaixador de Israel já havia chegado à residência do presidente para a cerimônia, informou Walla.

O ato de rejeitar o enviado israelense é considerado uma grave violação do protocolo diplomático e ameaça abalar as relações entre Chile e Israel.

Um caso semelhante aconteceu no Brasil, em 2015, durante o governo de Dilma Rousseff. Na época, a presidente enviou ao governo de Israel sua expressão de desconforto diante da nomeação do ex-chefe de Conselho, Dani Dayan, como embaixador de Israel no Brasil. O motivo seria os laços de Dayan com os assentamentos de judeus na Cisjordânia. 

Embora o Ministério das Relações Exteriores do Chile tenha emitido um pedido formal de desculpas, afirmando que a cerimônia foi adiada para outubro, a recusa foi considerada uma afronta sem precedentes.

A comunidade judaica do Chile condenou a recusa como um “grave incidente diplomático”.

O Comitê Judaico Americano disse que Boric deve se desculpar ou assumir os danos irreparáveis ​​aos laços entre Israel e Chile, sua conexão com a comunidade judaica chilena e a reputação internacional do Chile.

Histórico de críticas a Israel

O esquerdista Boric, que assumiu a presidência do Chile no ano passado, tem tido uma relação tensa com os 18.000 judeus do país.

Em 2019, antes de ser presidente, a comunidade lhe enviou um presente de Rosh Hashaná junto com um bilhete, expressando o desejo de uma “sociedade mais inclusiva, respeitosa e mais solidária”.

Em resposta, ele disse no Twitter: “Agradeço o gesto, mas eles poderiam sair pedindo a Israel que devolva o território palestino ocupado ilegalmente”.

Boric já havia apoiado um projeto de lei no Congresso Nacional do Chile pedindo um boicote a bens, serviços e produtos dos assentamentos israelenses.

Além disso, Boric chamou Israel de “Estado assassino” em uma reunião com a comunidade judaica durante sua campanha e assinou uma declaração de apoio à causa palestina, em uma reunião com o líder da comunidade palestina, que tem 350.000 membros no Chile.

Fonte: Guiame com informações de Times of Israel

COMENTÁRIOS